Esta crise está sendo impulsionada por lucros excessivos – não por salários.

Aja agora e assine a petição da CES para adotar este plano de seis pontos

Os salários não são a causa da inflação. Os trabalhadores são as vítimas desta crise, com o valor de seus salários caindo enquanto os preços dos bens de uso diário sobem. Isso está aumentando as desigualdades existentes, com trabalhadores de baixa remuneração e pessoas vulneráveis ​​sendo os mais atingidos.

Empregadores, governos e a UE têm a responsabilidade de tomar medidas urgentes para enfrentar a crise do custo de vida, garantindo aumentos salariais, apoio de emergência para famílias em dificuldades, limite de preços, tributação e redistribuição de lucros e riquezas excedentes.

É por isso que os trabalhadores e seus sindicatos em toda a Europa estão pedindo um plano de seis pontos para enfrentar a crise do custo de vida e construir uma economia que atenda aos trabalhadores.

 

 

A EFFAT junta-se à CES exigindo:

  1. Aumentos salariais para atender ao aumento do custo de vida e garantir que os trabalhadores recebam uma parcela justa dos ganhos de produtividade, bem como medidas para promover a negociação coletiva como a melhor forma de obter salários justos e uma economia sustentável.
  2. Pagamentos direcionados a pessoas que lutam para pagar suas contas de energia, colocar comida na mesa e pagar o aluguel; o direito à alimentação e a um lar aquecido são direitos humanos e devem ser protegidos. Não se pode esperar que pessoas em situação de pobreza paguem contas inacessíveis. Deve haver uma proibição de desconexões.
  3. Preços máximos especialmente para o custo das contas de energia e um imposto estanque sobre lucros excessivos de empresas de energia e outras para garantir que não sejam autorizados a especular nesta crise, juntamente com outras medidas para impedir o lucro, como reduzir os dividendos e evitar a especulação sobre os preços dos alimentos.
  4. Medidas nacionais e europeias de apoio anticrise para proteger rendimentos e empregos na indústria, serviços e setor público, incluindo medidas do tipo SURE para proteger empregos, rendimentos e financiar medidas sociais para enfrentar esta crise e processos de transição justa.
  5. Reformar o funcionamento do mercado de energia da UE. Reconhecer que a energia é um bem público e investir para combater as causas profundas da crise, como o subinvestimento em energia verde e as consequências da privatização.
  6. Um lugar à mesa para os sindicatos conceberem e implementarem medidas anticrise através do diálogo social. Este é o método comprovado para gerenciar crises com sucesso.

Os governos e a UE não podem ficar de fora desta crise. O preço da inação ou da adoção de uma resposta errada, como aumento das taxas de juros, congelamento de salários ou retorno à fracassada agenda de austeridade, será catastrófico.

Materiais para Baixar:

fotos:

Fotos da ação sindical e da reunião no Parlamento Europeu em Estrasburgo - Vídeo da reunião com o MEPS

Fotos de ações sindicais em toda a Europa

Plano de 6 Pontos 

Plano de 6 pontos (versão DE)
Plano de 6 pontos (versão EN)
Plano de 6 pontos (versão ES)
Plano de 6 pontos (versão IT)
Plano de 6 pontos (versão NL)
Plano de 6 pontos (versão PL)
Plano de 6 pontos (versão PT)

 

Calendário
Calendário ATUALIZADO de ações sindicais

Segue-nos

Leia nosso último boletim

Campanhas


Congresso 2019